quarta-feira, julho 01, 2009

A farra dos abutres

Michael Jackson foi um gênio. Aloprado, mas gênio.
Dizia-me um já falecido amigo: “Canta, dança e compõe muito bem. É gênio”.
Concordo e acrescento: se cercava dos melhores profissionais.
“Thriller” é um dos discos mais impressionantes que ouvi. Disco do porte de Sgt. Peppers, London Calling, Psychocandy...
No palco, vi poucos shows como os dele. Madonna? Não. O Queen de Fred Mercury? Talvez.
A vida pessoal de Jackson me interessa pouco, como, aliás, a de todo artista. É bom saber dos podres dos vizinhos.
Os garotinhos que, dizem, comeu, sempre tiveram papais e mamães mais interessados em levar um monte de grana do doidinho nos tribunais do que preservar os fiofós de seus pimpolhos.
Desde "Bad" não prestava mais atenção na música de Michael Jackson. Vi alguns clipes, ocasionalmente, na TV, de discos mais recentes.
Michael Jackson morreu agora, aos 50 anos, de causas ainda desconhecidas. Artisticamente, já estava morto há um bom tempo.
Os abutres festejam. Terão muita carne para comer.

Um comentário:

Rita Torres Demarco disse...

É... muita carne pra comer e muita falta de ocupação para aquele bando de gente que vem não sei de onde e viaja "trocentos" quilometros pra jogar uma florzinha num pedaço de calçada.